terça-feira 19th março 2019
19-mar-2019

IMPUTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE E DELEGAÇÃO DE PODER

A delegação de competências impacta diretamente na imputação do delito aos diretores, funcionários e, sobretudo, do compliance officer, com repercussão direta à pessoa jurídica. Em corporações é natural que a delegação de poderes seja transferida conforme a hierarquia de cada cargo, como instrumento de outorga de poderes, entre a presidência ou o conselho, até os cargos de funções mais elementares na companhia. Na hipótese de um ilícito praticado por parte de um funcionário, haverá imputação penal do autor (delegado) e/ou do delegante? O delegante estará isento de responsabilidade em relação aos delitos cometidos pelos delegados? Importante que nos instrumentos de delegação estejam claras as competências, funções e responsabilidades.

A princípio, o delegante poderia avocar a isenção da responsabilidade, desde que tenha adotado premissas de delegação. São elas:

  • obrigação do delegante selecionar adequadamente o delegado (o processo de seleção deverá ser apto a escolher a pessoa que tenha conhecimento da área na qual atuará; e esta aptidão deverá ser comprovada por documentação idônea);
  • obrigação de informar ao delegado suas atribuições (o instrumento de delegação deve relacionar atribuições e competências do delegado e este deve comprovar a transmissão destas informações indispensáveis à atividade do delegado; o delegante que retém a informação ou sonega atribuições, avoca novamente a responsabilidade que tinha delegado);
  • obrigação de coordenar os delegados (a coordenação é competência de quem transfere a responsabilidade, distribui as funções e exerce liderança sobre o controle das atividades);
  • obrigação de dotar de meios econômicos, materiais e pessoais para o delegado exercer suas funções (deixar o delegado à míngua, sem ferramentas operacionais e intelectuais para exercer sua atividade, é atitude similar à revogação da transferência);
  • obrigação de vigilância e controle (monitoramento); é obrigação do delegante vigiar os delegados, contudo, em grandes corporações, por exemplo, o delegante não possui disponibilidade de tempo para tal atividade; o Compliance é uma das formas de vigilância que pode ser exercida por delegação compliance officer; é possível acusar o administrador por omissão do dever de fiscalizar/vigiar (cegueira deliberada); e acusar por ação o subordinado/delegado que executou ativamente o delito; é obrigação do delegante vigiar as atividades do delegado;
  • dever de reação (nada obstante o presidente do conselho receba a informação de que um colaborador ofereceu dinheiro a um gestor público em troca de exercer a oportunidade de inserir cláusulas favoráveis à empresa em edital de licitação, deverá tomar providências enérgicas e efetivas a sanar o problema, punir o infrator e adotar medidas de prevenção para novo ato não venha a ocorrer).

A distribuição das competências e a adoção das medidas de delegação descritas anteriormente é que determinarão o alcance e repartição das responsabilidades e das funções entre o nível hierárquico mais alto até o mais elementar. Na delegação de competências no plano vertical, o “princípio da desconfiança” exige o dever de vigilância e controle. A “desconfiança” recomenda o constante estado de alerta e diligência.

No plano horizontal de alta hierarquia, todos os administradores estão em posição de garante; vige o “princípio da confiança”.

Nos níveis inferiores da empresa, há o princípio da divisão de trabalho no mesmo nível hierárquico e, portanto, não estão em posição de garante, pois cada um responde pela esfera de sua competência; princípio da estrita competência; princípio da especialização. O fato de um trabalhador ver algum erro de outro funcionário (nesta relação horizontal), não o torna penalmente responsável, pois não é a sua função exercer aquele trabalho e muito menos exercer a vigilância. O conhecimento daquele erro é irrelevante para fins de imputação por omissão.

No caso do plano horizontal dos administradores, a princípio, pode existir o dever de vigilância, uma vez que todos são, no final das contas, garantes. E uma atuação incorreta de um, repercutirá na esfera jurídico-penal do outro. Obviamente, conclusões finais dependeriam dos detalhes desta complexa relação entre os garantes.

Sobre o tema Ricardo Robles Planas [1] exemplificou o caso de uma empresa de investimentos com três sócios, em que só um deles administrava. Este sócio administrador apropriou-se indevidamente de recursos, a descapitalizar a empresa. Quem responde penalmente? Os outros dois simplesmente não exerceram a vigilância, embora tenha existido desde a origem da organização, uma repartição clara de competências: um sócio administrava e os demais, não, pois eram investidores. Os dois sócios deveriam ou não, ser imputados penalmente, uma vez que são garantes e têm dever de vigilância? A autoria e participação depende dos detalhes do caso. Na Espanha, o Tribunal Supremo (Sentença 234/2010, 11/03/2010) proferiu o seguinte julgamento: não houve unanimidade; alguns julgadores entenderam que não havia responsabilidade; outros, de que havia responsabilidade; a maioria entendeu que deveria ser aplicado o princípio da estrita competência; cada sócio estava especializado em uma atividade; houve separação de funções e, portanto, não havia o dever de vigilância. Qual das duas opções estaria correta? Responsabilizam-se os dois sócios ou só o sócio administrador? Se existia divisão de trabalhos entre os garantes é lógico que não existia o dever de vigilância. Se o exemplo for outro, o de uma equipe de quatro cirurgiões escalada para uma operação cardíaca de alta complexidade. Um deles é responsável por uma função e cada um dos outros, por outras. O cirurgião que troca a artéria direita deve concentrar-se no cirurgião que troca a artéria esquerda? À toda vida, parece que não; não deve existir o dever de vigilância. Mas o que ocorre se um cirurgião mostrar sinais de embriaguez e outro cirurgião perceber? Parece razoável que ele avise a equipe. Isto se chama princípio da confiança: não há dever de vigilância e de controle, mas há dever de garante residual que obriga a vigilância quando é conhecido um fato que venha a comprometer a idoneidade e resultado pretendido.

A depender das funções, os ocupantes dos cargos na pessoa jurídica assumem posições de garante. O diretor imediato tem o dever de garante de proteção do trabalhador que está em adaptação[2] . O compliance officer tem o dever de garante de proteção, controle e vigilância para evitar riscos à organização.

Conclusão:
• Princípio da desconfiança – Plano vertical – dever de vigilância é obrigatório.
• Princípio da confiança – Plano horizontal – dever de vigilância só ocorre em situações de inexigibilidade de conduta diversa.
• Princípio da competência; cada um assume sua função; mecanismo da delegação e da especialização.
• A posição de garante desaparece quando um dos pressupostos da delegação é sonegado pela autoridade delegante.

[1] Palestra “Teoria do Delito Econômico – Autoria e Participação”, IASP, Brasil, 10/09/2016.
[2] Sánches, Jesús-María Silva; Varela, Lorena. Responsabilidades individuales em estructuras de empresa, p. 281.

Esse artigo faz parte de um especial – COMPLIANCE e o DIREITO PENAL NAS RELAÇÕES ENTRE EMPRESAS PRIVADAS E O GOVERNO – clique aqui e acompanhe os demais artigos.

Publicado em 14 de maio de 2018

(Colaborou Dr. Ariosto Mila Peixoto, advogado especializado em licitações e contratos administrativos, no escritório AMP Advogados).

*Alguns esclarecimentos foram prestados durante a vigência de determinada legislação e podem tornar-se defasados, em virtude de nova legislação que venha a modificar a anterior, utilizada como fundamento da consulta

Há 1 comentário para este artigo
  1. Pingback: Especial – Compliance | Portal de Licitações

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Alteração da embalagem do produto

Temos um contrato para o fornecimento de forros protetores de assento sanitário com dispensers em regime de comodato. Na licitação, foi definido que os licitantes deveriam ofertar seus preços por folha e, ainda, fornecimento de pacotes contendo entre 40 a 100 folhas. Não foi ratificada marca. O licitante vencedor ofertou pacotes de 90 folhas. Todavia, transcorridos 06 meses do fornecimento (termo de registro de preços), ele alega que seu fabricante não mais produz tais pacotes, somente pacotes de 120 folhas, ou seja, distinto do que foi definido na licitação. Alega que não possui outro fabricante para fins de atendimento ao edital (40 à 100 folhas). Entendo que seja o caso de cancelamento dos preços registrados. Todavia, haveria um custo adicional na aquisição dos dispensers ou, a retirada dos mesmos em diversas unidades, em torno de 576, impactando na aquisição direta por dispensa de licitação até a instauração de novo processo. Há alguma forma de aditarmos o contrato sob alegação de custos extras e adicionais à administração no caso de cancelamento dos preços? (mais…)

Participação irregular de EPP. Nova fase de Lances.

“Em se tratando de uma empresa, credenciada como EPP, teve maior parte dos lances a seu favor, mas uma vez verificada seu balanço a mesma não deveria ter usufruído do benefício. Contudo, já prevendo a inabilitação da empresa, as demais empresas licitanttes solicitaram rever seus lances novamente, uma vez, alegando elas, foram prejudicadas por se tratarem de empresas normais, assim seus lances ficaram bem abaixo dos lances ofertado pela empresa ora inabilitada.

Pergunta: Esse retrocesso na fase de lances, ou seja, excluindo a licitante inabilitada, refazer toda a fase de lances seria permissível? Seria correto acontecer novamente nova fazer de lances? (mais…)