segunda-feira 27th maio 2019
27-mai-2019

Após ameaça de paralisação, prefeitura de Novo Hamburgo abre edital para contratar empresa de ônibus


Município também quer firmar contrato emergencial de 180 dias para garantir transporte público na cidade

A prefeitura de Novo Hamburgo, no Vale do Sinos, publicou o edital para a concessão do transporte público do município nesta quarta-feira (13). A abertura da licitação ocorre duas semanas após o grupo de empresas responsável pelo serviço anunciar a paralisação das atividades em 31 de março.

O impasse entre o poder público e as concessionárias está no reajuste da tarifa, que passou de R$ 3,50 para R$ 3,60 no início deste ano. As empresas reivindicam percentual maior de aumento, com a passagem custando entre R$ 3,90 e R$ 4,20. Desde 2011, o serviço de transporte na cidade é realizado através de contratos emergenciais, depois que o Ministério Público (MP) determinou a suspensão da licitação em vigor.

Paralelo ao chamamento público, a administração hamburguense também lançou um edital para contratação emergencial, pelo período de 180 dias, para garantir o transporte dos moradores enquanto se desenrola o processo de concessão. Isso porque as quatro empresas atuais decidiram não assinar mais uma versão temporária do contrato, por isso a suspensão das viagens a partir de abril.

Na ocasião, a prefeita Fátima Daudt emitiu esclarecimento reafirmando a manutenção dos serviços de ônibus. “Até que seja finalizada a nova licitação, as empresas não podem deixar de prestar os serviços de transporte coletivo, que são essenciais e não podem sofrer prejuízo de descontinuidade”, informou a nota na época.

Em comunicado aos passageiros, a Viação Hamburguesa, Courocap, Viação Futura e Viação Feitoria reclamam de que a administração municipal não calcula corretamente a tarifa. “Os processos de revisão tarifária sempre foram protocolados formalmente, mas o Executivo, desde 2011, sequer os respondeu, limitando-se a reajustar a tarifa com base na variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor – INPC, que não reflete os custos setoriais e muito menos capta a situação de queda de demanda de usuários pagantes”, informa a nota.

O documento ainda cita, como exemplo, que as tarifas dos demais municípios da região estão acima de R$ 4, “exceção feita a Campo Bom, que adotou uma sistemática de subsidiar gratuidades e isentar o serviço do ISS (Imposto Sobre Serviço)”, observa.

Paralisação
Entre julho e agosto de 2018, uma greve nas empresas de ônibus afetou durante alguns dias o transporte coletivo em Novo Hamburgo. Porém, na oportunidade, a redução no serviço ocorreu por ação do Sindicato dos Rodoviários de NH, que estava em um impasse com as empresas de ônibus. A categoria pedia reposição salarial de 3,3% referente a 2017, mais 2,5% de 2018.

(Fonte: Gaucha ZH)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Cabral diz que recebeu R$ 1,5 milhão em propina na licitação do serviço Poupa Tempo

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral confessou que, em 2009, recebeu um R$ 1,5 milhão em propina para favorecer o grupo de empresários liderado por Georges Sadala, na licitação do serviço Poupa Tempo no estado.

A declaração foi dada, nessa quinta-feira (23), em depoimento prestado ao juiz Marcelo Bretas, da Sétima Vara Federal Criminal do Rio, no âmbito da Operação C’est Fini, um desdobramento da Lava Jato.

Cabral disse que determinou pessoalmente aos responsáveis pela licitação que o consórcio pertencente a Sadala fosse escolhido como vencedor do certame.

O ex-governador revelou ainda outras negociatas com Sadala, que eram desconhecidas do Ministério Público e da Justiça.

Quem também prestou depoimento, nessa quinta-feira, foi o empresário Georges Sadala. Ele se disse surpreso com as declarações de Cabral e negou ter pago propina ao ex-governador ou ter sociedade com ele em imóveis.

(Fonte: Jornal Floripa)