terça-feira 19th março 2019
19-mar-2019

Após pedido de bloqueio de até R$ 20 milhões, BC encontra apenas R$ 798,61 em contas de ex-diretor do DER-PR


Valores bloqueados foram protocolados no site da JF nesta segunda-feira (26); Nelson Leal Junior foi preso na 48ª fase da Lava Jato.

Banco Central do Brasil (Bacen) bloqueou R$ 798,61 do ex-diretor do Departamento de Estradas de Rodagem no Paraná (DER-PR), Nelson Leal Junior. Ele e mais cinco pessoas foram presos na 48ª fase da Lava Jato.

Os valores bloqueados pelo Bacen foram protolocados no site da Justiça Federal (JF) na tarde desta segunda-feira (26). O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da operação na primeira instância, havia decretado o bloqueio de até R$ 20 milhões das contas de cada investigado.

A atual etapa da operação apura corrupção, fraude a licitações e lavagem de dinheiro na gestão das concessões de rodovias federais no Paraná. De acordo com a investigação, o valor do pedágio foi superfaturado para financiar a corrupção.

Nelson Leal é suspeito de usar o cargo que ocupava no DER-PR para editar atos em favor das concessionárias.

Apartamento e barcos de luxo
Na sexta-feira (23), a Justiça também sequestrou o apartamento de luxo de Nelson em Balneário Camboriú, no litoral de Santa Catarina. O apartamento custou mais de R$ 2,5 milhões. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), R$ 533 mil não tiveram a origem identificada.

Os procuradores afirmam que ele colocava R$ 20 mil, R$ 40 mil em malas, sacolas e viajava mais de 200 quilômetros para entregar o dinheiro à construtora.

O MPF afirma ainda que, quando ia pra Santa Catarina, Nelson costumava alugar barcos para passear com amigos e família. Segundo as investigações, a preferência era por embarcações grandes, com dois quartos, uma suíte, banheiro e cozinha. A diária chega a custar R$ 16 mil.

O advogado de Nelson, Beno Brandão, reforçou que, além do bloqueio de R$ 798,61 nas contas, houve também o sequestro do apartamento do cliente em Balenário Camboriú.

Informou, ainda, que pretende apresentar, nesta segunda-feira, explicações a Moro sobre os argumentos que deram base à prisão de Nelson.

Outros investigados
Carlos Felisberto Nasser, que é funcionário com cargo em comissão da Casa Civil e um dos homens de confiança do governador Beto Richa (PSDB), teve R$ 274.683,09 bloqueados. A mesa de Nasser na sede do governo estadual, em Curitiba, foi alvo de busca e apreensão.

O Ministério Público Federal (MPF) chegou a pedir a prisão dele, mas Moro negou.

Além de Leal Junior e Nasser, os seguintes investigados tiveram valores bloqueados nas contas:

Gilson Beckert: R$ 446.776,27;
Oscar Alberto da Silva Gayer Junior (preso): R$ 80.802,36;
Wellington de Melo Volpato (preso): R$ 57.244,78;
Leonardo Guerra (preso): R$ 217.305,22;
Hélio Ogama (preso): R$ 207.367,39;
Paulo Garcez Beckert: R$ 27.476,48;
Gtech Engenharia e Planejamento LTDA: R$ 598.269,00.

O advogado de defesa de Oscar Alberto Gayer da Silva, Walter Bittar, afirmou que Oscar será ouvido nesta tarde, na sede da PF. “Ocasião em que esclarecerá todas as dúvidas que as autoridades tiverem. Após o depoimento, será protocolado pedido de desbloqueio, posto que não há nenhuma ilegalidade que justifique a medida cautelar”, disse.

Gabriel Bertin, advogado de Hélio Ogama informou que Ogama presta depoimento nesta segunda-feira e que “a defesa, no momento, nada tem a comentar” a respeito.

Até a última atualização desta reportagem, a defesa de Leonardo Guerra não havia se pronunciado.

O G1 tenta contato com as defesas dos demais investigados.

Pedágios mais caros
Perícias técnicas realizadas pelo MPF apontaram um superfaturamento nos valores das obras das concessionárias.

Um laudo técnico, que usou como parâmetro a tabela do Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (Sinapi), da Caixa Econômica Federal, mostrou que o sobrepreço de itens da planilha chegou a 89% em relação ao valor de mercado.

O desvio de dinheiro para pagamento de propina pode ter trazido prejuízo para motoristas que passam pelo Paraná.

De acordo com o MPF, um estudo apresentado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), em 2012, mostrava que a tarifa de pedágio poderia ser reduzia em 18%, mas o que houve foi um aumento de 25%. O valor ficou mais caro por causa de aditivos ao contrato, justificados pelo DER-PR.

Os procuradores dizem que, à mesma época, Nelson comprou um apartamento de luxo em Balneário Camboriú, no litoral de Santa Catarina, e que pagou parte em espécie, com malas e sacolas de dinheiro. A Justiça sequestrou o imóvel.

No pedido de prisão, o MPF afirma que Nelson vinha usando o cargo para editar atos em favor das concessionárias. Ele nega as acusações. Depois da prisão, o governador Beto Richa (PSDB) determinou o afastamento dele do cargo.

De acordo com o MPF, a concessionária Econorte recebeu cerca de R$ 2,3 bilhões de tarifas pagas pelos usuários entre 2005 e 2015.

Desse total, pelo menos R$ 63 milhões foram repassados, conforme o MPF, para empresas de fachada ou sociedades cuja prestação de serviço ou entrega de produtos não foi confirmada.

A Lava Jato chegou até as empresas de pedágio porque os envolvidos usavam o mesmo esquema revelado na operação, com a participação de dois operadores já investigados pela Lava Jato: Adir Assad e Rodrigo Tacla Duran.

(Fonte: G1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Alteração da embalagem do produto

Temos um contrato para o fornecimento de forros protetores de assento sanitário com dispensers em regime de comodato. Na licitação, foi definido que os licitantes deveriam ofertar seus preços por folha e, ainda, fornecimento de pacotes contendo entre 40 a 100 folhas. Não foi ratificada marca. O licitante vencedor ofertou pacotes de 90 folhas. Todavia, transcorridos 06 meses do fornecimento (termo de registro de preços), ele alega que seu fabricante não mais produz tais pacotes, somente pacotes de 120 folhas, ou seja, distinto do que foi definido na licitação. Alega que não possui outro fabricante para fins de atendimento ao edital (40 à 100 folhas). Entendo que seja o caso de cancelamento dos preços registrados. Todavia, haveria um custo adicional na aquisição dos dispensers ou, a retirada dos mesmos em diversas unidades, em torno de 576, impactando na aquisição direta por dispensa de licitação até a instauração de novo processo. Há alguma forma de aditarmos o contrato sob alegação de custos extras e adicionais à administração no caso de cancelamento dos preços? (mais…)

Participação irregular de EPP. Nova fase de Lances.

“Em se tratando de uma empresa, credenciada como EPP, teve maior parte dos lances a seu favor, mas uma vez verificada seu balanço a mesma não deveria ter usufruído do benefício. Contudo, já prevendo a inabilitação da empresa, as demais empresas licitanttes solicitaram rever seus lances novamente, uma vez, alegando elas, foram prejudicadas por se tratarem de empresas normais, assim seus lances ficaram bem abaixo dos lances ofertado pela empresa ora inabilitada.

Pergunta: Esse retrocesso na fase de lances, ou seja, excluindo a licitante inabilitada, refazer toda a fase de lances seria permissível? Seria correto acontecer novamente nova fazer de lances? (mais…)