segunda-feira 27th maio 2019
27-mai-2019

Editais para quatro bares e restaurante panorâmico da orla do Guaíba estão abertos

Os editais para selecionar permissionários que atuarão nos quatro bares e no restaurante panorâmico da nova orla do Guaíba, em Porto Alegre, estão abertos. A publicação no Diário Oficial do município ocorreu na sexta-feira (23). A seleção das propostas, em projeto de negócio desenvolvido pela Secretaria Municipal de Parcerias Estratégicas (SMPE), será realizada por meio de pregões eletrônicos nos dias 22 e 23 de março.

De acordo com o secretário municipal de Parcerias Estratégicas, Bruno Vanuzzi, os contratos de permissão de uso terão vigência de 24 meses, prorrogáveis. “Após a assinatura da permissão de uso, os vencedores terão 60 dias para iniciar a operação, respeitando todos os critérios definidos na licitação”, diz.

O julgamento das propostas será pelo critério de maior valor de outorga inicial, e o lance mínimo corresponde a dois meses de aluguel (permissão de uso). Os aluguéis estão fixados no edital, definidos a partir de análise da Divisão de Avaliação de Imóveis da Secretaria Municipal da Fazenda.

O primeiro trecho da orla do Guaíba com 1,3 quilômetro de extensão, do Gasômetro até a Rótula das Cuias. A entrega da obra já foi adiada, e não há nova data definida. A parte dos trabalhos mais atrasada é a de colocação da vegetação.

(Fonte: Folha Nobre)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Cabral diz que recebeu R$ 1,5 milhão em propina na licitação do serviço Poupa Tempo

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral confessou que, em 2009, recebeu um R$ 1,5 milhão em propina para favorecer o grupo de empresários liderado por Georges Sadala, na licitação do serviço Poupa Tempo no estado.

A declaração foi dada, nessa quinta-feira (23), em depoimento prestado ao juiz Marcelo Bretas, da Sétima Vara Federal Criminal do Rio, no âmbito da Operação C’est Fini, um desdobramento da Lava Jato.

Cabral disse que determinou pessoalmente aos responsáveis pela licitação que o consórcio pertencente a Sadala fosse escolhido como vencedor do certame.

O ex-governador revelou ainda outras negociatas com Sadala, que eram desconhecidas do Ministério Público e da Justiça.

Quem também prestou depoimento, nessa quinta-feira, foi o empresário Georges Sadala. Ele se disse surpreso com as declarações de Cabral e negou ter pago propina ao ex-governador ou ter sociedade com ele em imóveis.

(Fonte: Jornal Floripa)