sexta-feira 14th dezembro 2018
14-dez-2018

MP denuncia Richa e mais 12 por corrupção e fraude à licitação


De acordo com a acusação do Ministério Público, tucano teria sido beneficiário de pelo menos R$ 8 milhões em propina

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) denunciou nesta terça-feira, 25, o ex-governador Beto Richa (PSDB) e mais 12 pessoas por corrupção e fraude a licitação do programa Patrulha Rural, que tinha como objetivo a manutenção de estradas rurais municipais no Paraná.

A denúncia oferecida nesta terça estima que as empresas envolvidas no esquema tenham recebido 101 milhões de reais do governo e que pelo menos 8 milhões de reais tenham sido repassados em propina a Richa e seus aliados.

“O denunciado Carlos Alberto Richa, então governador do Estado do Paraná, e principal destinatário final das vantagens indevidas prometidas pelos empresários, plenamente ciente das tratativas e reuniões realizadas, notadamente através do seu – então – amigo Antonio Celso Garcia [delator do esquema], convalidou todo o arranjo criminoso, inclusive o aceite de promessa indevida”, diz a denúncia.

O MP também denunciou quatro integrantes da gestão do tucano: José Richa Filho, irmão do ex-governador e secretário de Infraestrutura e Logística à época; Deonílson Roldo, ex-chefe de gabinete do governador; Edson Casagrande, então secretário de Assuntos Estratégicos; e Ezequias Moreira, na época diretor da empresa paranaense de Saneamento, a Sanepar.

O MP informou também que fará novas diligências para as denúncias relativas aos crimes de organização criminosa, obstrução de justiça, lavagem de dinheiro, peculato e outros crimes licitatórios. Por esse motivo, segundo a denúncia, não serão denunciadas a esposa do governador, Fernanda Richa, e o contador da família, Dirceu Pupo.

Assim com os 13 denunciados, Fernanda e Dirceu foram presos no último dia 11 de setembro pela Operação Rádio Patrulha. Com base na delação do empresário Antônio Celso Garcia (Tony Garcia), a investigação do MP apontou um esquema montado no primeiro mandato de Richa que beneficiou um grupo de empreiteiras na licitação do programa Patrulha do Campo, destinado à manutenção de estradas rurais. Garcia repassou ao MP áudios e vídeos de reuniões que mostram o esquema sendo construído e colocado em prática. EM uma gravação, o governador manda o então amigo cobrar uma propina atrasada. “Vai pra cima”, diz Richa. Em outra, o empreiteiro Celso Frare aparece contando maços de dinheiro que seriam entregues na sequência ao irmão do governador, José Richa Filho.

Outro lado
A reportagem entrou em contato com a defesa de Beto Richa e aguarda sua manifestação. A defesa de Ezequias Moreira disse que ele apresentará sua defesa nos autos, comprovando sua plena inocência.

(Fonte: Veja)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>