segunda-feira 27th maio 2019
27-mai-2019

MP pede redução de tarifa e nova licitação das linhas de ônibus

O Ministério Público do Rio de Janeiro pede uma nova licitação para as linhas que circulam na capital e defende que a tarifa baixe dos atuais R$ 4,05 para R$ 3,60. Os prometeres do MPRJ foram à Justiça para anular o contrato de concessão entre a Prefeitura do Rio e as empresas de ônibus.

De acordo com a ação, as multas aplicadas pela SMTR (3.474 apenas no primeiro semestre de 2018) não resultam em qualquer efeito positivo sobre o serviço. “Procedimentos administrativos foram instaurados, mas resultaram em mera advertência ou autuação sem resultados concretos”, diz a nota.

O núcleo responsável cita “estruturas viciadas” na ação. “Após a licitação de 2010, os inúmeros problemas que deveriam ter sido sanados continuaram, com a permanência das mesmas empresas”, afirma nota do MP. “Os problemas não foram solucionados nem mesmo diante de ordens judiciais”, frisa.

O documento encaminhado à Justiça relata que 84% das linhas que já contam com decisão judicial continuam alvo de queixas dos usuários. O pedido de suspensão envolve itinerários dos consórcios Transcarioca, Internorte, Santa Cruz e Intersul. O MP requer, ainda, que seja vedada a participação de qualquer sócio, familiar ou consórcio réu em novo certame.

(Fonte: O Diario do Rio)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Cabral diz que recebeu R$ 1,5 milhão em propina na licitação do serviço Poupa Tempo

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral confessou que, em 2009, recebeu um R$ 1,5 milhão em propina para favorecer o grupo de empresários liderado por Georges Sadala, na licitação do serviço Poupa Tempo no estado.

A declaração foi dada, nessa quinta-feira (23), em depoimento prestado ao juiz Marcelo Bretas, da Sétima Vara Federal Criminal do Rio, no âmbito da Operação C’est Fini, um desdobramento da Lava Jato.

Cabral disse que determinou pessoalmente aos responsáveis pela licitação que o consórcio pertencente a Sadala fosse escolhido como vencedor do certame.

O ex-governador revelou ainda outras negociatas com Sadala, que eram desconhecidas do Ministério Público e da Justiça.

Quem também prestou depoimento, nessa quinta-feira, foi o empresário Georges Sadala. Ele se disse surpreso com as declarações de Cabral e negou ter pago propina ao ex-governador ou ter sociedade com ele em imóveis.

(Fonte: Jornal Floripa)