terça-feira 19th março 2019
19-mar-2019

Operadoras dizem que excesso de leis municipais emperra o 4G

Em nota, a Anatel afirmou que, se as metas de cobertura não forem cumpridas, as operadoras ficarão sujeitas a não conseguir resgatar os depósitos dados como garantia para participar da licitação. 

 

A infraestrutura que o país oferece para a internet móvel de quarta geração, conhecida como 4G, preocupa especialistas.

 

Faltam pouco mais de três meses para começar a Copa das Confederações no Brasil. A infraestrutura que o país oferece para a internet móvel de quarta geração, conhecida como 4G, preocupa especialistas. O sindicato que representa as empresas de telefonia alerta que pelo menos três dos seis estádios correm o risco de não estar prontos para receber a internet ultrarrápida.

Assistir a um vídeo em alta definição no celular sem travar, baixar arquivos com mais rapidez. Vantagens da tão esperada tecnologia 4G, que pode ser, em média, dez vezes mais rápida que as conexões usadas hoje.

A previsão é que as primeiras redes 4G comecem a funcionar até o fim de abril nas seis capitais que vão sediar a Copa das Confederações e até o fim do ano nas 12 cidades que vão receber a Copa do Mundo. Mas, para isso, segundo cálculos do Sindicato das Empresas de Telefonia, o desafio é instalar quase 10 mil novas antenas para transmissão do sinal. Uma média de 30 por dia até dezembro.

A cidade que vai precisar do maior número de antenas é São Paulo. Depois, Rio. Em terceiro lugar, Brasília.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Alteração da embalagem do produto

Temos um contrato para o fornecimento de forros protetores de assento sanitário com dispensers em regime de comodato. Na licitação, foi definido que os licitantes deveriam ofertar seus preços por folha e, ainda, fornecimento de pacotes contendo entre 40 a 100 folhas. Não foi ratificada marca. O licitante vencedor ofertou pacotes de 90 folhas. Todavia, transcorridos 06 meses do fornecimento (termo de registro de preços), ele alega que seu fabricante não mais produz tais pacotes, somente pacotes de 120 folhas, ou seja, distinto do que foi definido na licitação. Alega que não possui outro fabricante para fins de atendimento ao edital (40 à 100 folhas). Entendo que seja o caso de cancelamento dos preços registrados. Todavia, haveria um custo adicional na aquisição dos dispensers ou, a retirada dos mesmos em diversas unidades, em torno de 576, impactando na aquisição direta por dispensa de licitação até a instauração de novo processo. Há alguma forma de aditarmos o contrato sob alegação de custos extras e adicionais à administração no caso de cancelamento dos preços? (mais…)

Participação irregular de EPP. Nova fase de Lances.

“Em se tratando de uma empresa, credenciada como EPP, teve maior parte dos lances a seu favor, mas uma vez verificada seu balanço a mesma não deveria ter usufruído do benefício. Contudo, já prevendo a inabilitação da empresa, as demais empresas licitanttes solicitaram rever seus lances novamente, uma vez, alegando elas, foram prejudicadas por se tratarem de empresas normais, assim seus lances ficaram bem abaixo dos lances ofertado pela empresa ora inabilitada.

Pergunta: Esse retrocesso na fase de lances, ou seja, excluindo a licitante inabilitada, refazer toda a fase de lances seria permissível? Seria correto acontecer novamente nova fazer de lances? (mais…)